(Wix-Logo) Create a site!
100s of templates
No coding needed
Start now >>

Frevo

Frevo

Frevo

Troças

As troças carnavalescas ou troças carnavalescas mistas são pequenas agremiações, menores em estrutura que os blocos ou clubes de frevo, organizadas por um grupo de amigos, que saem pelas ruas das cidades, normalmente durante o dia, animando os foliões nas festas de Momo.

São conhecidas também como levanta poeira, uma vez que saem arrastando um grande número de foliões por onde passam. Formadas com a intenção de brincar e zombar com os mais diversos temas possuem muita criatividade e nomes irreverentes, que provocam o riso e o divertimento.

A palavra Mista na troça significa que dela podem participar tanto homens, quanto mulheres.

No final do século XIX e início do XX, quando surgiram as agremiações carnavalescas no Recife e em Olinda, havia uma distinção bastante rígida quanto aos papéis assumidos por homens e mulheres, daí existir algum sentido que os homens se vestissem de mulher no Carnaval. Hoje, a não ser algumas poucas agremiações e aquelas que fazem brincadeira com o conceito de gênero, como as Virgens de Olinda, por exemplo, as troças e os clubes carnavalescos são mistos.

No carnaval de Olinda, conhecido nacional e internacionalmente como uma das mais animadas festas populares de rua do mundo, há uma grande quantidade de troças, originárias de grupos que resolvem brincar, se divertir e troçar.

As primeiras troças olindenses surgiram no começo do século XX. No início, havia muitos grupos carnavalescos improvisados, havendo pouca brincadeira organizada.

Em 1910, composta por jovens moradores da Cidade Alta, surgiu a Troça Carnavalesca Mista Papudinho, que saía da Rua do Bonfim e só participou de dois carnavais, encerrando suas atividades em 1911. Alguns dos seus integrantes fundaram, posteriormente, o Clube Vassourinhas de Olinda. 

Também no carnaval de 1910, apareceu a Troça Carnavalesca Mista Bonequinho, organizada por moradores da praia dos Quatro Coqueiros, com a colaboração de pescadores do local, e da praia dos Milagres, além de veranistas que ainda permaneciam em Olinda, na época da folia. Com várias interrupções e mudança de local, terminando na Ilha do Maruim, a troça desfilou pela última vez no ano de 1944.

A Troça Infantil Bengalinha, composta por alunos do professor Marcolino Botelho, surgiu em 1911. Seu nome originou-se do hábito que tinha o severo professor, de bater com a bengala nos alunos que não respondiam certo às suas perguntas. A troça saía da Rua do Amparo, com as crianças caprichosamente fantasiadas por suas mães. Quando passavam em frente da casa do professor tiravam os chapéus e faziam um cumprimento. A troça desfilou por um período de cinco anos, não consecutivos.

Fundada em 1914, pelo carnavalesco Pulu (Apolinário Gomes da Silva), na praia dos Quatro Coqueiros, a Troça Carnavalesca Mista Os Pescadores participou do carnaval até 1923, ficando sem desfilar por aproximadamente três anos nesse período. Congregava os pescadores que moravam na costa ao longo do istmo entre  Olinda e o Recife, por isso muita gente pensava que a troça pertencia à localidade da Ilha do Maruim.

Criada em 1920, a Troça Carnavalesca Mista Caçadores teve sua primeira sede nos Quatro Cantos, passando a desfilar depois no Guadalupe e na Estrada de Paulista. Os participantes desfilavam sempre com fantasias de caçador, composta por bornal, espingarda e apetrechos de caça, mudando apenas as cores. Não existia mais no carnaval de 1931.

A Troça Carnavalesca Mista Cariri é uma das mais antigas agremiações do Carnaval de Olinda. Fundada no dia 15 de fevereiro de 1921, abre o carnaval da cidade desfilando sempre às 4h da madrugada do domingo de Carnaval. Sua sede fica na Praça Conselheiro Miguel Canuto, no Guadalupe e seu nome é uma homenagem ao velho “Cariri”, apelido de um antigo vendedor do Mercado de São José, no Recife, que até hoje continua como símbolo da troça.

Criada no ano de 1922, em Floresta, na Estrada de Paulista, a Troça Carnavalesca Mista Destemidos, era basicamente formada por trabalhadores do ramo da carne verde. Seu primeiro estandarte de 1922, foi substituído por outro, confeccionado por alunas do Colégio Santa Teresa, em 1928. O símbolo da troça era um lobo, sendo por isso seus integrantes chamados de Lobos da Floresta. Tendo como seu maior rival troça Caçadores, os Destemidos fizeram sua última apresentação em 1946.

Fundada em 1925, a Troça Carnavalesca Prato Misterioso foi uma das maiores troças do carnaval de Olinda, principalmente porque sempre se apresentava com uma boa orquestra. Seus anos de glória foram nas décadas de 1930 e 1940, quando tinha como seu principal rival a Troça Carnavalesca Mista Pão da Tarde, criada em 1943, na Ilha do Maruim. A Pão da Tarde nasceu de uma dissidência da Prato Misterioso e tinha como grande sonho desbancar seu principal concorrente, mas nunca conseguiu.

Uma turma de rapazes do bairro dos Milagres criou, em 1932 a Troça Carnavalesca Donzelinhos dos Milagres, que ficou famosa no carnaval da cidade sem nunca ter tido uma diretoria organizada. Não era permitida a participação de mulheres e as fantasias da troça eram sempre baseadas em roupas infantis. Antes da sua saída, às 7h da manhã, era servido um sarapatel com muita bebida. Durante 25 anos, os Donzelinhos só deixaram de se apresentar por duas vezes: em 1943, por causa da convocação de participantes para a Segunda Guerra Mundial e, em 1956, quando um dos membros da troça foi assassinado. Sua última apresentação ocorreu no Carnaval de 1957.

Localizada na Rua do Sobrado dos Arcos, nº 174, surgiu em 1933 a Troça Carnavalesca Mista Bolinha de Ouro, composta por um grupo de crianças que saía pelas ruas batucando em latas velhas. Passou depois a sair da Rua do Guadalupe, nº 167, sendo uma animada agremiação do carnaval olindense. Seu estandarte era da cor vinho com adornos em metal dourado. Com mais de sessenta participantes, a troça só se apresentou duas vezes, encerrando suas atividades, em 1935, por falta de recursos financeiros. Seu principal rival era a troça Abanadores, de Severino Parafuso.

Criada em 1934, por dissidentes do Clube Lenhadores, a Troça Carnavalesca Mista Pavão de Ouro iniciou suas atividades no bairro do Farol, mudando-se, na década de 1940, para a Ilha do Maruim, com sede social própria localizada na Rua Campos Sales, n.118. Apresentava-se com bonitas fantasias e boas orquestras, mas seu sonho era mudar de categoria para concorrer com o grande rival  Lenhadores, o que não conseguiu, encerrando as atividades em 1950.

Fundada na Rua dos Tocos, em 1938, a Troça Carnavalesca Mista Verde Linho era composta basicamente por vendedores ambulantes, trabalhadores e donas-de-casa.  No início, saía pelas ruas com uma batucada, mas depois passou a desfilar com fantasias simples e criativas, além de orquestra de frevo. Apesar de pequena, a troça fez sucesso no carnaval olindense. Sua última apresentação ocorreu no Carnaval de 1966.

Na década de 1940, surgiram diversas troças, algumas importantes, como a Pitombeira dos Quatro Cantos (1947), hoje uma das maiores e mais animadas de Olinda.

Em 1945, no bairro do Guadalupe, na Cidade Alta, foi criada a pequena  Troça Carnavalesca Mista Estrelinha, formada na sua maioria por crianças e que só fizerem duas apresentações, em 1945 e 1946, e a Troça Carnavalesca Mista Combate, cujo nome era uma alusão à II Guerra Mundial (1939-1945), idéia do porta-bandeira do Clube Vassourinhas, o folião Faustino, cuja primeira apresentação foi realizada próximo à sede do Clube. Possuía uma boa orquestra de frevo e foi a primeira agremiação a divulgar suas promoções pichando o chão de ruas e avenidas da cidade, uma vez que, por ser de pequeno porte, não tinha muita atenção da imprensa.

A Troça Carnavalesca Mista Remadores, foi criada em 1948, e além da exibição em dois carnavais da cidade (1948-1949), organizava festas dançantes para os jovens da comunidade.

De forma improvisada, surgiu em 1950, a Troça Carnavalesca Pijama, formada só por homens. Seus componentes se apresentavam de pijama listrado e tamanco pelas ruas da Cidade Alta. Devido a diversas confusões ocasionadas pelo excessivo consumo de bebidas alcoólicas por parte dos seus integrante, teve pouca duração.

Ainda na década de 1950, no ano de 1957, surgiu a Troça Carnavalesca Mista Dona Sinhá, formada por um grupo de autênticos carnavalescos de Olinda, que brincavam mascarados. Um deles parecia com a figura de Dona Sinhá, daí o nome da troça. As suas melhores apresentações foram realizadas nos anos de 1957 e 1959. Com um estandarte improvisado no início, passou depois a sair com outro, nas cores vermelha e amarela, criado por seus dirigentes.

No ano de 1960, surgiram, entre outras, as seguintes troças carnavalescas mistas: Girafa, no bairro do Guadalupe, formada por cerca de cinquenta pessoas, que se apresentavam levando a alegoria de uma girafa gigante e uma boa orquestra de frevo. Seu último desfile aconteceu em 1965; Cheguei Agora, formado em sua maioria por foliões do Clube Toureiros de Santo Amaro, do Recife, de onde se afastaram aborrecidos. Desfilava também no Recife, chegando a ser campeã na sua categoria com o tema Carnaval Antigo. Em Olinda, saiu pela primeira vez da Rua Manoel Borba; Timbu, de início localizada no bairro de Jatobá e depois na Av. Joaquim Nabuco, nº 148, Estrada de Paulista, era composta por crianças e adultos, principalmente moradores da comunidade. Foi fundada por antigos membros do Penarol Futebol Clube que havia sido extinto, encerrando sua participação no Carnaval em 1964; Passando a Vassoura, originária da Rua das Belas Artes, cujos componentes eram, além dos jovens da localidade, pescadores e peixeiros que haviam feito parte do Clube Lenhadores e tinha como principal rival  a troça Cachorro do Farol, criada em 1963, por um grupo de pessoas da classe média da cidade, que brincava o carnaval com uma máscara de cachorro.

Uma das mais tradicionais troças carnavalescas de Olinda, a Ceroula, foi fundada em 1962, como uma dissidência da Pijama. Só se apresenta pelas ruas da Cidade Alta e, durante o desfile, distribui batidas de frutas regionais para os foliões. Sai no sábado e na terça-feira de Carnaval. Antes da primeira saída, servem uma feijoada e da segunda, uma peixada para seus associados. Mantém até hoje a tradição de não aceitar mulheres no seu cordão e sua fantasia é composta por chapéu de palha, camisa de malha, ceroula e sandália.

Criada em 25 de fevereiro de 1965, pelo garçom Isaías Ferreira da Silva, o Batata, a Troça Carnavalesca Bacalhau do Batata é considerada a mais original das agremiações que saem após o Carnaval em Olinda. A troça sai na manhã da Quarta-Feira de Cinzas, do Alto da Sé, pelas ruas da Cidade Alta, sendo acompanhada por foliões que trabalharam durante a folia, principalmente motoristas, garçons, policiais e outros profissionais que não puderam brincar durante o Carnaval. O estandarte da troça é composto pelos principais ingredientes de uma bacalhoada. Vestidos com camisas de malha e chapéu, os foliões caem na folia com muito frevo e também uma escola de samba, anunciando a saída com muitos fogos para chamar a atenção da população. 

Outra troça carnavalesca tradicional de Olinda é A Mulher do Dia, criada em 13 de dezembro de 1967, para “acabar com a solidão de tantos carnavais do Homem da Meia Noite”, um Clube de Alegoria Misto que foi troça de 1932 a 1936. A Mulher do Dia é uma calunga gigante e as cores da agremiação são o azul, que representa Iemanjá, e o amarelo, representando Ogum. Para alguns artistas de Olinda a boneca da troça é a Mona Lisa da cidade.

Na década de 1970, surgiram, entre outras, as seguintes troças carnavalescas mistas para animar o carnaval em Olinda: Pavão Misterioso (1974), na Avenida Presidente Kennedy, que tornou-se um clube de 2ª categoria, chegando a ser campeã do carnaval recifense em 1981; A Burra (1974), do bairro do Rosário que sai na segunda-feira de Carnaval; Menino da Tarde (1975), do bairro do Guadalupe, que se apresentam no sábado de carnaval com uma boa orquestra. O primeiro boneco da troça foi confeccionado pelo artesão Julião e o segundo pelo folião Silvio do Amaro Branco; Cachorrão, que tem como ponto de saída a casa nº 104, da Ladeira do Varadouro, no Sítio Histórico de Olinda e distribui bebida de graça para os foliões; Barca Furada (1979), composta na sua maioria por rapazes moradores da Cidade Alta, que gostavam de discutir futebol em frente ao antigo cinema Duarte Coelho e que, em 1981, homenagearam o Sport Club do Recife, campeão pernambucano de 1980; John Travolta (1979), formada por crianças do bairro do Guadalupe, que no início saía pelas ruas fazendo batucada e conduzindo um boneco gigante confeccionado por Julião (conhecido como Julião dos Bonecos), e depois outro feito por Silvio do Amaro Branco, os mesmos autores da Menino da Tarde.

Criada em 1980, a Troça Carnavalesca Mista Barba Papa foi idealizada e organizada por jovens foliões ligados a famílias de carnavalescos olindenses e cujo  principal atrativo é o boneco Barba Papa, com 3,5 metros de altura, confeccionado pelo artesão Julião dos Bonecos. A agremiação sai às ruas com cerca de cem a 120 integrantes e cinquenta músicos, alguns da Escola de Samba Preto Velho.

A Troça Carnavalesca Mista Tarados da Sé, foi fundada no dia 11 de novembro de 1987, por músicos e artistas de Olinda que se inspiraram na música Tarados da Sé, composta por Lourenço Gato, Luciano Padilha e João Sales. A troça se apresenta com um boneco gigante e arrasta milhares de foliões pelas ruas da Cidade Alta.

Criada em 1993, a Troça Carnavalesca Mulher na Vara surgiu de uma brincadeira: naquele ano uma moça sofreu uma queda, em plena folia, ficando sem poder andar. Para transportá-la em meio à multidão, dois rapazes resolveram improvisar arranjando um pedaço de pau para ajudá-la. Por onde passavam os foliões gritavam “olha a mulher na vara”, nascendo assim a troça. Hoje o grupo se apresenta carregando uma vara de cinco metros e com orquestra de frevo.

Misturadas aos clubes, afoxés, caboclinhos, maracatus, bonecos gigantes – uma das marcas mais conhecidas do Carnaval olindense – escolas de samba e muito frevo, troças carnavalescas são criadas anualmente e continuam, desde 1910, animando a folia pelas ladeiras da cidade, com muito humor, alegria e criatividade.

Fonte: http://basilio.fundaj.gov.br/

(Wix Logo)
This site was created using
Create your own for FREE >>